terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Sinto muito, mas preciso falar

Seria a voz do povo a voz de Deus?


Uma das maiores potências de perversidade que a História já conheceu, ascendeu ao poder na Alemanha nazista com amplo apoio popular. Hitler se aproveitou com eficácia das angústias e dificuldades por que passava a nação alemã para tomar posse do coração do povo. Ele era um excelente orador, seus discursos eram inflamados e apaixonados .Utilizava a publicidade e a propaganda para “abrir os portões do coração do povo”. Dizia que o meio mais eficaz de emocionar o coração da alma popular eram os discursos nos comícios. Com estas estratégias o Adolf foi mais além: conquistou também o intelecto da elite pensante alemã. Com o apoio do povo e da elite, Hitler estava preparado para levar o caos e destruição ao planeta. 50 milhões de mortes somente na Segunda Guerra Mundial. O ditador manchou o planeta azul com sangue, dor e vergonha. Poderíamos, neste caso, dizer que a voz do povo é a voz de Deus? Estava Deus a favor de semelhante genocídio?
O maior crime da História, que faz “meu coração doer como um golpe de navalha” teve decisiva participação do povo. Certamente, a maioria das pessoas que gritavam “crucifica!” “crucifica!” nem sabiam por que bradavam aquela frase tão dolorosa. Seus corações e emoções estavam envenenados por discursos e oratórias de pessoas("líderes") e grupos que se sentiam prejudicados pelos dircursos de Jesus. A frase pronunciada pelo mestre “perdoa, Pai, eles não sabem o que fazem” é perfeitamente compreensível. Eles não sabiam mesmo. As palavras dos opositores de Cristo alcançavam o coração do povo como flecha envenenada e os “torpedos” que lhes saíam da boca eram apelos homicidas como o coração de Hitler: "Crucifica! Crucifica...".Pilatos, governador letrado, tentava interferir a favor de Jesus. “Não vejo crime nenhum neste homem”, mas palavras homicidas mais fortes continuavam saindo dos lábios do povo – “Crucifica! Crucifica! "Que quereis que eu faça,que eu Liberte Jesus e prenda Barrabás?" porém o povo gritava(insuflado por líderes que se misturavam a eles): Solte Barrabás e crucifica Jesus. Que escolha trágica...Coincidentemente ou não a quantidade de habitantes que possuía Israel à época da crucificação de Jesus era de aproximadamente 6 milhões,a mesma que quantidade de judeus que pereceram no Holocausto comandado por Hitler.
Assim, o Mestre, como a população Alemã e por conseguinte a população mundial foram vítimas de decisões onde o próprio povo teve a participação direta. Seria o caso de se perguntar: _ A voz do povo é realmente a voz de Deus? Será que a maioria sempre erra?

Marcos Antonio Vasco Rodrigues.

Esta obra está registrada e licenciada. Você pode copiá-la, distribuí-la, exibi-la, executá-la desde que seja citado o autor original. Não é permitido fazer uso comercial desta obra.Publicado em: 01/12/2009

4 comentários:

Escritas em Poesias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Escritas em Poesias disse...

Querido... O que tenho a dizer a respeito deste texto é que,podemos cometer injustiças terríveis,se nos deixarmos levar por pensamentos e atitudes alheias,pois quase sempre "A voz do povo não é a voz de Deus"."Não julgueis, pois, para não serdes julgados."(Mateus,VII:1-2)Assim disse Jesus...
É minha opinião...Amei seu texto...
Parabéns...Beijos!

Ivana disse...

"Eles não sabiam mesmo" Esse é o maior problema do povo, não saber o que está acontecendo. Muitas vezes o povo não sabe por que lhe negam o direito de saber, mas infelismente hoje em dia, com tanto acesso a informação, o povo não sabe POR QUE NÃO QUER SABER. Talvez por que esteja desiludido, talvez por alienção. A verdade é que assim os "homens do poder" se apropriam da nossa ignorância para cometer as maiores atrocidades, para nos roubar, para favorecimento próprio. Que Deus tenha misericórdia de nós e que "abra os olhos" do povo, pra que ele veja, interfira e seja agente de mudanças.
Abraços.

bia jardim disse...

EU ADORO MARCO ANTÔNIO, TUDO QUE ELE SCREVE É MUITO BOM! ABRAÇOS MARCO! MAMY BIA JARDIM.